Notícias

Skip Navigation LinksHome > Notícias > Com adiamento de votação da Reforma da Previdência, centrais decidem suspender Greve Geral do dia 5
sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Com adiamento de votação da Reforma da Previdência, centrais decidem suspender Greve Geral do dia 5


 As centrais sindicais decidiram suspender a greve nacional prevista para a próxima terça-feira (5). Segundo as entidades, o movimento foi suspenso devido à informação de que a proposta do governo de "reforma" da Previdência Social não mais será votada na semana que vem. 

"Ressaltamos que a pressão do movimento sindical foi fundamental para o cancelamento da votação", afirmam as centrais, em nota (leia abaixo), acrescentando que se manterão em "estado de alerta de greve". As entidades também pretendem intensificar a mobilização por mudanças na Medida Provisória (MP) 808, que altera dispositivos da Lei 13.467, de "reforma" trabalhista.

Assinam a nota os presidentes das seis centrais reconhecidas formalmente: Antonio Neto (CSB), Adilson Araújo (CTB), Vagner Freitas (CUT), Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (Força Sindical), José Calixto (Nova Central) e Ricardo Patah (UGT).

A greve havia sido marcada diante da perspectiva de votação da reforma na quarta-feira da semana que vem. Representantes das centrais foram à Câmara nesta semana conversar com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reivindicar o adiamento da discussão para 2018. Ontem, Maia disse que o governo "está muito longe" de conseguir os votos necessários para a aprovação.

Também por meio de nota, a CUT afirma que a "greve do dia 5 foi suspensa porque o governo Temer recuou e adiou votação da aposentadoria que estava marcada para o dia 6." O comunicado diz ainda que o movimento sindical mantém-se em "estado de alerta".

Já a CTB afirma que o dia 5 deverá se transformar em "um dia nacional de lutas", defendendo a realização de protestos nas agências da Previdência Social nos estados. E pede uma "reunião urgente" de centrais, confederações, federações e sindicatos para discutir a organização de uma greve nacional.

Leia nota da CUT

O governo não tem votos suficientes para aprovar a “Reforma da Previdência” e decidiu retirar a proposta da pauta da Câmara dos Deputados, que tinha previsto a votação no próximo dia 6.

O movimento sindical tinha decidido que, “se marcar a votação, o Brasil vai parar”.

Como não haverá votação na semana que vem, as centrais sindicais, CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB, decidiram suspender a greve nacional convocada para o próximo dia 5.

Conclamamos todos os trabalhadores e trabalhadoras a continuarem mobilizados, em estado de alerta.

Todas as Estaduais da CUT, todos os Ramos e todos os Sindicatos filiados à CUT devem continuar convocando e organizando os trabalhadores e trabalhadoras para que estejam preparados para parar, fazer greve de protesto e greve geral, exigindo a não votação desta reforma da Previdência que, na prática, acaba com a aposentadoria da classe trabalhadora.  

Nosso recado ao governo e aos parlamentares é:

Não aceitaremos votação desta Reforma da Previdência!

“Se marcar a votação, o Brasil vai parar!”

São Paulo, 01 de dezembro de 2017

Vagner Freitas - Presidente

Sérgio Nobre - Secretário Geral

 

Por Redação da Rede Brasil Atual

 

 


Seminário Reforma Trabalhista e Negociação Coletiva

assista o vídeo
.
.